5 itens para uma Casa livre de Obstáculos


O conceito de velhice, de terceira idade e a visão que nós temos a respeito da pessoa idosa tem mudado radicalmente nos últimos anos.


Os números do IBGE são impressionantes quando mostram que o Brasil tem hoje mais de 23 milhões de pessoas com mais de 60 anos e que mais de 4 milhões de pessoas idosas moram sozinhas em seus lares!


Mas não moram sozinhas porque estão abandonados por seus familiares, e sim, porque desejam estar sozinhas, desejam ter a liberdade que construíram e almejam ao longo da vida.


E vem cá: Você sabe me dizer o que a pessoa idosa deseja ao envelhecer?


Em minhas pesquisas recentes sobre envelhecimento saudável eu descobri que elas desejam continuar sendo úteis e ter significado!


Incrível isso, não? Mulheres querem liberdade e homens querem aconchego e o caminho para se ter um envelhecimento saudável é continuar tendo planos e projetos de vida.


O envelhecimento saudável acontece principalmente com homens e mulheres que têm planos de vida.


E na minha opinião e nos meus estudos, esses planos de vida maravilhosos que as pessoas nutrem na terceira idade estão diretamente associados ao que a área da gerontologia define por capacidade de continuar fazendo suas atividades da vida diária, ou “AVD”, que são as tarefas básicas de autocuidado, parecidas com as habilidades que aprendemos na infância como por exemplo tomar banho, vestir-se, e alimentar-se.



E certamente você já entendeu aonde eu quero chegar, porque na minha opinião, os planos e as metas que as pessoas idosas nutrem na velhice só podem ser realizados se elas estiverem em condições de autonomia e independência para fazerem suas atividades básicas da vida.


Do que adianta eu nutrir um plano para a velhice se eu cair de uma escada por falta de corrimãos, quebrar a perna e só conseguir andar com a ajuda de um andador?


Se durante a nossa vida após os 60, 65, 70 anos, sofrermos um acidente, por exemplo, de escorregar no banheiro e quebrar a perna, poderá haver uma grande consequência em nosso envelhecimento saudável e principalmente em nossa independência.


A recuperação de acidentes na velhice é muito demorada. Inclusive durante a recuperação de graves acidentes, podem acontecer novos acidentes ou feridas, como por exemplo se eu precisar ficar sentado por muito tempo sem me mexer, pode surgir feridas, chamadas escaras que são muito difíceis de serem curadas.


E sabe quem é que pode ajudá-los com isso? Você! Sim, você, arquiteta, arquiteto, engenheira, engenheiro, designer e você, filha ou filho de pessoas idosas, pois ao garantirem que suas casas estejam confortáveis e principalmente seguras, evitando acidentes, vão garantir a capacidade para realizarem suas atividades diárias, sem causar acidentes em casa e assim, contribuir para que alcancem seus planos e metas nesses anos maravilhosos de suas vidas.


É importante ressaltar que não podemos negar que com o avançar da idade o corpo vai ficando diferente (visão, audição, resistência, equilíbrio, força nos membros, enfim não se tem um corpo jovem, mas isso não significa que passamos a ter um corpo inativo.


Por isso, ao estar atento a essas novas condições físicas podemos garantir o que todos queremos: viver mais, de forma mais ativa e com qualidade de vida.


É por isso que seu trabalho, de arquiteto, engenheiro e designer de interiores é tão importante.


É por isso que a sua preocupação de filho de pais idosos é mais do que justa e deve sim ser levada em consideração.


E é por isso que a independência tem tudo a ver com as melhorias nas casas e apartamentos que vamos apresentar a seguir:


Hoje, vou apresentar a você 5 informações úteis e inclusive algumas que você poderá implantar já, agora mesmo, em sua casa e na casa dos seus pais e na de seus clientes.


Garantir segurança nas casas e apartamentos significa ganhar anos de vida e somar vidas aos anos.


Significa fazer um projeto que dê à pessoa independência, com riscos minimizados no que tange a qualquer tipo de queda ou acidente.


Garantir segurança significa escolher produtos que contribuam para maior autonomia ao longo dos anos.


Vamos lá:


  1. BOA ILUMINAÇÃO

O que é uma iluminação ruim?


É quando a iluminação é tão fraca que dificulta a pessoa identificar por exemplo a cor do remédio, fazer a leitura de um rótulo, escolher a cor de uma maquiagem, enxergar um objeto caído no chão ou os utensílios na bancada da pia.

O que é uma iluminação boa? Aquela que apresenta no mínimo 150 LUX de intensidade de luz medidos à 1 metro di chão.


Agora vou dar uma dica de ouro.

Vou ensinar você a medir a quantidade de intensidade de luz.

Você vai baixar um aplicativo chamado LUXÍMETRO no seu celular para medir a quantidade de LUX no ambiente.

Em cima do tampo da pia do banheiro e da cozinha, por exemplo, a quantidade mínima de LUX deverá ser de 150.

Essa referência eu extrai da norma técnica de acessibilidade NBR 9050 que diz que ambientes acessíveis, para serem utilizados por todas as pessoas, inclusive por pessoas com baixa visão, devem ter uma quantidade mínima de 150 lux.


  1. PISO ANTIDERRAPANTE

O que é um piso que derrapa? Bem, esse é fácil de explicar! Porcelanato liso! Brilhante!

Qual é o piso ideal para um banheiro? É um piso com coeficiente de atrito maior que 0,4.

Esses pisos são considerados antiderrapantes pelas normas técnicas e podem evitar escorregões.

E onde colocar o piso antiderrapante? No banheiro todo, porque o banheiro todo é considerado como uma área úmida e o risco não está apenas dentro do box.


  1. BARRAS DE APOIO CONFORME SUA NECESSIDADE

Dentro da residência não precisamos aplicar a famosa e rigorosa NBR 9050 que vai especificar medidas e locais de instalação das barras.

Cada um pode instalar a barra onde quiser e onde achar que dará mais segurança, mas tenho algumas sugestões de locais para instalação:

Uma barra em formato “L” ao lado da bacia sanitária, para ajudar a se sentar e se levantar;

Uma outra barra no interior do Box do chuveiro, podendo ser na vertical ou na horizontal;

E uma barra na parede lateral da bancada da pia;

  1. ALAVANCAS

As pessoas idosas têm menos precisão, capacidade de torção dos punhos e força nos membros. E isso vale para o manuseio do registro das torneiras, do chveiro, da maçaneta da porta e da torneira da pia.

Por isso, no caso de registros e maçanetas no formato “bolinha”, será muito difícil ou até impossível utilizá-lo, pior ainda quando se está com as mãos ensaboadas.

A dica aqui é substituir por torneiras e maçanetas do tipo “alavanca”, que aliás são ótimas para todos, idosos, crianças e pessoas com alguma deficiência nas mãos.


  1. SENSORES DE PRESENÇA E BALIZADORES

Você conhece a expressão ``Disautonomia''?

É uma disfunção no sistema nervoso autônomo, responsável por controlar o nosso equilíbrio.


A pessoa com Disautonomia pode ter muita dificuldade de caminhar por ambientes escuros, com pouca luz, por exemplo quando saem da sala à noite, desligam a TV ou o Tablet e vão até o quarto para dormir.


Instalar balizadores e sensores de presença nos corredores e na circulação pode evitar acidentes e ajudar na autonomia das pessoas dentro de suas casas.


Espero ter ajudado e com isso, você estará garantindo uma casa confortável e segura, e principalmente ajudando que as pessoas idosas possam alcançar seus planos e suas metas em qualquer fase ou idade de suas vidas.


Obrigado, e até a próxima.


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

11. 9 9160 4718

11. 4332 3144

SÃO PAULO  I  BRASIL

Realizamos projetos e laudos para todo o Brasil.

eduardo@eduardoronchetti.com.br

www.eduardoronchetti.com.br