Escola 100% acessível proporciona desenvolvimento e integração à criança deficiente.


Para melhor desenvolvimento, a criança com deficiência pode estudar em escola regular.

Em 2009 foi decretado que tudo o que está escrito na Convenção Internacional sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência, assinado em 2007 em Nova York, deve ser cumprido em território nacional.

Crianças com qualquer deficiência têm direito de frequentar uma escola regular, e cabe aos pais esta decisão, sem o pagamento de valor ou taxa adicional.

A criança ainda deverá ter, no período em que não estuda, assistência especializada para o reforço ou uma sala especial para a aprendizagem das disciplinas clássicas, como língua portuguesa e matemática.

O primeiro ponto a ser observado pelos pais é o ambiente escolar, se eles se identificam com os professores, se gostam do espaço físico e se concordam com o projeto pedagógico. A escola não precisa ter experiências anteriores com alunos com deficiência.

Os docentes aprendem a trabalhar com as situações diferentes no momento em que elas passam a existir.

Nestes casos, a decisão da família é soberana. No entanto, em certos casos, colocar a criança em uma sala especial, independentemente de qual deficiência ela tenha, pode ser muito prejudicial ao seu desenvolvimento, pois a convivência com outras crianças ajuda no desenvolvimento da parte cognitiva e de habilidades sociais do menor, além do enfrentamento de desafios cotidianos que são essenciais para a aprendizagem.

As crianças crescem convivendo na diversidade, que está em toda a parte, e acabam definindo seu lugar na coletividade.

A escola é o lugar onde as pessoas aprendem a viver em sociedade. E todas são capazes de aprender, cada uma a seu tempo. Basta os educadores buscarem o melhor método para atender as mais variadas dificuldades, uma vez que cada aluno é único, com características próprias, tendo ou não algum tipo de deficiência. Para ajudar, os professores podem, por exemplo, traçar metas de aprendizagens individuais, sem subestimar ninguém e propor atividades em salas reservadas, com atendimento personalizado, para resolver problemas pontuais, como dificuldades de fala, escrita, interpretação e expressão, auxiliando assim, o desenvolvimento da criança.